sábado, 11 de outubro de 2014

Coxinha

Coxinha é um salgado frito,
feito com frango desfiado temperado à gosto
envolvido com uma massa a base de farinha de trigo,
num formato que lembra uma coxa de galinha,
vendidos desde a unidade grande
ou em centos, pequenininha.

Curto pacas tal salgado,
é um dos meus preferidos,
principalmente quando fritos na hora,
esperando para serem comidos.

Mas essas coxinhas não
se restringem apenas as lanchonetes
ou a bares, onde se consomem
bolovos, kibes ou croquetes...

Há coxinhas que falam,
que berram, que gritam!!

Ancorados em seu moralismo,
misturado, muitas vezes,
com uma dose de fascismo,
tem seus alvos preferidos,
como, por exemplo, o feminismo...
e não entendem o movimento
que busca, junto aos homens, igual tratamento.
Mas pros coxinhas não existe o machismo
e falam "que isso é falta de pinto"
pois "as feministas vivem de coitadismo".

Falam tanto de vitimismo
que inventaram até um tal de "gayzismo"
E argumentam com:
"Eu respeito o homossexualismo,
mas não podem beijar em público,
muito menos na televisão,
vão influenciar nossas crianças
com essas coisas fora do padrão,
estão destruindo a moral
querem acabar com a família tradicional!"
Mas os coxinhas se esquecem que gays
são mortos por conta de sua orientação sexual.

Coxinha não entende a luta para a legalização da maconha
gritando que "esses maconheiros querem fumar mais",
ou "que está perdido esse rapaz, não sabe o que faz",
mas pega o carro bêbado depois da balada
correndo o risco de entrar numa cilada...
Pode bater, morrer e matar,
quem tava junto no rolê
ou quem tava indo trabalhar.

Pode, também, realmente destruir um lar,
basta pesquisar quantas famílias são marcadas
por um bêbado agressivo depois do bar.

Talvez não saibam que o álcool
também é uma droga que marginaliza...
E generaliza:
"Maconheiro é tudo vagabundo!
A PM tem que descer o cacete em todo mundo!"

Coxinha não gosta do Movimento dos Sem Terra,
e quando ouve sobre ocupação no jornal, berra:
"Esse MST só tem vadio, povo que não trabalha!"
Torcendo pro fazendeiro expulsar eles na bala.
O mesmo fazendeiro que tem terra concentrada,
pra te enfiar agrotóxicos ou pra não plantar nada.

O coxinha se esquece que é o trabalhador rural
quem faz o serviço braçal, no cafezal ou canavial,
debaixo do sol, ganhando mal, produzindo seu alimento,
lutando pela democratização da terra, necessário enfrentamento.

Percebemos que eles não gostam dos movimentos sociais,
vinheta tem que chama-los para vibrar suas cordas vocais.

Os coxinhas são contra a corrupção,
por isso saem na manifestação,
mas se esquecem que somos todos da mesma opinião...
Eu não conheço cidadão que sai
com uma bandeira na mão,
se dizendo pró-corrupção.

Nas eleições, eles que são os "esclarecidos",
mesmo usando mais a boca que os ouvidos,
vão esbravejar o seu ódio
e com preconceito argumentar:
"Aquele povo burro que não sabe votar
e troca voto por um jantar,
por isso não querem trabalhar,
temos que deles nos separar...
nas urnas era a hora de protestar!"

Sei que não podemos generalizar,
pois nem tudo pode coincidir,
mas sei também, que quem se incomodar,
quando ler... a carapuça irá servir.

Nenhum comentário:

Postar um comentário