quarta-feira, 4 de setembro de 2013

O conjunto da obra


Tenho medo de mim
não do que posso fazer,
pois não vou te fazer mal,
trato como gostaria de ser...

...tratado? Sim, mas não vem ao caso
o medo vem da falta de conciliação
não gosto quando a cabeça conflita com o coração

É um só corpo, nada fragmentado...
E quando alguém é indagado,
cria-se um forte embate
a cabeça dói, o coração bate

E quando fazem as pazes
A Libido é aumentada
O pé marca golaços
e os lábios loucos por beijos encharcados

Sem contar os braços
que não se cansam de abraços
E as musicas para ouvidos
apreciadas junto de um prazeroso sorriso
  
Mas quando um age sem o outro ficar sabendo
num certo momento, atitude sem tempo.

vão passar se martelando,  se conflitando...
coitado desse corpo que irá ficar rolando!

Na briga eles argumentam que só discutem para lhe proteger
Pois a guerra entre eles vai fazer você crescer

No período da discórdia entre a cabeça e o coração
O corpo suplica e pede aos dois uma reconciliação

E quando o coração se sente apunhalado
A cabeça também pesa e sofre ao seu lado

O corpo, para não ficar pior, os levanta novamente
Forçando um pouco mais o fígado, por uma cabeça que não lembre.

O corpo depende da cabeça e do coração.
Quando se conflitam, inferno para o corpo...
Mas quando a cabeça apoia o coração
Formam um trio tão bonito que não tenho nem palavras para descrever tamanha perfeição.

Nenhum comentário:

Postar um comentário