quarta-feira, 25 de setembro de 2013

Não são os mesmos batimentos


A claridade material me chama bem estar e confiança
Fazem de você o que os outros sempre esperam

A claridade lhe consome e aumenta a busca por sempre mais
com a desculpa já ensaiada apenas enganando a si

A claridade faz a cabeça e seu bem estar
mas o seu corpo pede clemencia, pro coração ressuscitar

E com o brilho da manhã
eu penso em você
danço com meus sentimentos
e caio no mesmo salão
já não com os mesmos batimentos
peço uma valsa, me a mão...

A claridade da minha noite faz fervilhar todas as veias
falando sem parar, acendendo mais um cigarro

Eu guardei os meus óculos, não consigo enxergar
passo a noite sem pensar, olhando só pro meu nariz

Apesar da claridade eu ainda exalo flores
mas sei que o excesso de iluminação será motivo de nossas dores

E com o brilho da manhã
eu penso em você
danço com meus sentimentos
e caio no mesmo salão
já não com os mesmos batimentos
peço uma valsa, me a mão...

Mesmo pensando em você
sua claridade vai me cegar
e passo os dias dançando sem parar

Não sei dançar a valsa
e continuo caindo
vou sair desse salão
não quero mais a sua mão...

E com o brilho da manhã
eu penso em você
danço com meus sentimentos
e rolo pelo meu colchão
já não com os mesmos batimentos
essa claridade traz a escuridão

Nenhum comentário:

Postar um comentário